A RECICLAGEM

Você já parou para pensar de onde vêm as coisas que consumimos e para onde vão os resíduos que geramos?
Sabemos que para sobreviver e nos sentirmos bem, todos nós temos que
consumir bens e produtos e que em ultima instancia tudo que consumimos vem da natureza, do trabalho das pessoas e custa dinheiro.
Sabemos ainda que muito do que é produzido não é consumido e vai  para o lixo além de produzir uma quantidade enorme de embalagens que se não forem recicladas, geram toneladas e toneladas de lixo pelo mundo afora.
Uma das principais preocupações dos centros urbanos é a quantidade de lixo produzido pela população. Esta questão representa um dos maiores desafios a serem enfrentados pelas administrações públicas, pois além dos problemas relacionados à falta de espaço para disposição dos resíduos, deve também ser levada em conta a preservação do meio ambiente.

Vídeo: A história das coisas - uma crítica ao nosso padrão de consumo



Por que falar sobre o lixo?
Cada vez mais se faz necessário o cuidado e a atenção com o meio ambiente.
O desequilíbrio provocado pela devastação de recursos naturais está colocando em risco, não só espécies animais e vegetais, mas a sobrevivência do próprio homem no planeta.
Uma das formas de revertermos esta situação é com reaproveitamento de materiais recicláveis, evitando uma maior extração de recursos e diminuindo o acúmulo de lixo nas áreas urbanas.
Como funciona o aterro sanitário?
Um aterro sanitário é um espaço destinado à deposição final de resíduos sólidos gerados pela atividade humana, são provenientes de residências, indústrias, hospitais, construções e consiste em camadas alternadas de lixo e terra que evita mau cheiro e a proliferação de animais.
Um aterro segue princípios da engenharia de confinar resíduos sólidos à menor área possível e reduzí-los ao menor volume possível, cobrindo-os com uma camada de terra na conclusão da jornada de trabalho ou em intervalos menores, se necessário. Deve ser impermeabilizado e possuir acesso restrito, ter a quantidade de lixo controlada e conhecer que tipos de resíduos estão sendo depositados. Na maioria, os aterros sanitários são construídos em locais afastados das cidades em razão do mau cheiro e da possibilidade de contaminação do solo e das águas subterrâneas. Essa contaminação pode ocorrer por infiltração do chorume , líquido contendo componentes tóxicos que flui do lixo para o solo e corpos d’água.

Vídeo: Lixo extraordinário - o artista plático Vik Muniz transforma o lixo de um dos maiores aterros sanitários do mundo em obras de arte



7 coisas tóxicas que você não deveria jogar no lixo

Muita gente não pensa duas vezes em jogar no lixo algo que parece não prestar. O problema é que o lixo não é um sumidouro, ele é a primeira parada de algo que foi descartado.
Substancias tóxicas contidas no nosso lixo podem ser muito prejudicial à saúde e ao meio ambiente. Veja abaixo uma lista de 7 coisas que deveriam ser destinadas com cuidado.

1 – Óleo
Não só o óleo de motor, mas também o óleo de cozinha podem entupir tubulações de esgoto e atrapalhar os processos de tratamento de água e esgoto das empresas de saneamento.
Além disso, óleo de motor derramado no chão pode contaminar águas subterrâneas. “Um galão de óleo pode contaminar um milhão de galões de água pura”, explica a representante do site Earth911, Jennifer Berry. A maneira correta de se livrar do óleo é colocá-lo em uma garrafinha com tampa e levar para centros de reciclagem, postos de gasolina ou oficinas de carros.

2 – Eletrônicos
Um problema que o mundo está tendo que lidar atualmente é o lixo eletrônico, mas não aquele spam que você recebe por e-mail, mas a quantidade de aparelhos de TV, DVD, computadores, celulares, câmeras, impressoras, videogames, iPods que são jogados por aí. Alguns países da Europa e os EUA produzem tanto e-lixo que precisam mandar para outros países. “Estes objetos contêm metais pesados como cádmio e chumbo que podem contaminar o meio ambiente”, disse Jennifer. É melhor encontrar alguém que esteja precisando destes aparelhos e fazer uma doação.

3 – Tinta
Tintas à base de óleo, revestimentos, corantes, vernizes, removedores de tinta são lixos extremamente perigosos porque contêm produtos químicos que podem ser prejudiciais a humanos, animais e ao meio ambiente. Eles nunca devem ser jogados no lixo ou em ralos.
Latas que não foram usadas devem ser estocadas com cuidado ou devolvidas, ou você pode doar para escolas ou organizações.
4 – Pilhas e baterias
Diferentes tipos de baterias devem ser destinadas de diferentes maneiras, mas nenhuma delas deve ser jogada no lixo tradicional, nem nas lixeiras de reciclagem. Elas devem ser destinadas para reciclagem. Muitas lojas têm lixos especiais para pilhas. Elas contêm materiais tóxicos e corrosivos, por isso devem ser descartadas com cuidado. A bateria do carro também faz parte deste grupo.
Quando as pilhas e as baterias já não têm mais utilidade, tornam-se resíduos perigosos e devem ter uma destinação final adequada. Estes produtos possuem quantidades consideráveis de metais pesados que se infiltram nas cadeias alimentares e conseqüentemente, chegam aos organismos das pessoas, além de poluir o meio ambiente. Por isso, não devem ser depositadas nos aterros sanitários, nos lixões, nem realizada a compostagem.

5 – Lâmpada
Lâmpadas fluorescentes contém minúsculas partes de mercúrio (cerca de 5 mg) que podem vazar caso ela se quebre. Por isso, elas devem ser descartadas em lugares que recolham lixo tóxico.






6 – Termômetros
Os termômetros tradicionais contêm em média 500 mg de mercúrio e representa um risco à saúde em caso de quebra, principalmente para mulheres grávidas e crianças, porque prejudica o crescimento do sistema nervoso do bebê e dos pequenos. É preciso mandá-lo para o lixo tóxico.




Qual o tempo de decomposição dos materiais


O que fazer? Quais as alternativas para diminuir esse desequilíbrio?
Ao pensar em dicas simples e aproximar ainda mais a consciência socioambiental das pessoas, o Akatu formulou uma cartilha com 12 passos fundamentais. A saber:
1. Planeje suas compras. Compre menos e melhor;
2. Avalie os impactos de seu consumo no meio ambiente e na sociedade;
3. Consuma só o necessário. Reflita sobre suas reais necessidades e tente viver com menos;
4. Reutilize produtos. Não compre outra vez o que você pode consertar e transformar;
5. Separe seu lixo. Reciclar ajuda a economizar recursos naturais e a gerar empregos;
6. Use crédito com responsabilidade. Pense bem se você poderá pagar as prestações;
7. Informe-se e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas;
8. Não compre produtos piratas. Assim você contribui para gerar empregos e combater o crime organizado;
9. Contribua para a melhoria dos produtos e serviços. Envie às empresas sugestões e críticas construtivas;
10. Divulgue o consumo consciente. Levante essa bandeira para amigos e familiares;
11. Cobre dos políticos. Exija ações que viabilizem a prática do consumo consciente;
12. Reflita sobre seus valores. Avalie os princípios que guiam suas escolhas e hábitos de consumo.
Elas surgem pouco a pouco e levam tanto as pessoas, quanto as sociedades e os países a perceberem a importância do Consumo Consciente, isto é, de um conjunto de atitudes fundamentais para que a vida de todas as pessoas seja cada vez melhor e os recursos naturais preservados para as gerações futuras.

O que é consumo consciente?
O conceito de Consumo Consciente não nega a qualidade de vida individual, mas reconhece o ser humano como parte de uma comunidade global. A preservação do meio ambiente e o desenvolvimento justo da sociedade são as metas pretendidas pela atuação do consumidor consciente, atuando e mobilizando também sua comunidade nesta direção, para além da sua atuação individual.
Exercido de forma concreta, voluntária e cotidiana, o consumo consciente considera as variáveis de mercado, como preço, qualidade, impacto ambiental do consumo e responsabilidade empresarial. Mas, diferentemente do consumo responsável, nasce atrelado à coletividade, no exercício de uma nova e possível cidadania.

os 5 R's. Pra que tanto R?

Ter uma vida mais saudável depende tanto de uma política pública de serviços ambientalmente adequados de limpeza urbana quanto da atitude da população. Poderemos verificar uma notável diferença nos resultados finais deste investimento, partindo da reeducação ambiental e da prática dos 5 R’s.
Repensar os hábitos de consumo e descarte

Pense na real necessidade da compra daquele produto, antes de comprá-lo. Depois de consumi-lo, pratique a coleta seletiva, separando embalagens, matéria orgânica e óleo de cozinha usado. Jogue no lixo apenas o que não for reutilizável ou reciclável. Evite o desperdício de alimentos. Use produtos de limpeza biodegradáveis. Adquira produtos recicláveis ou produzidos com matéria-prima reciclada (durável e resistente). Prefira embalagens de papel e papelão. Utilize lâmpadas econômicas e pilhas recarregáveis ou alcalinas.
Mude seus hábitos de consumo e descarte.
Quer dizer, vamos analisar nossos hábitos de consumo:
1 Será que precisamos mesmo de tantas coisas?
2 O que, de fato, vamos usar e o que vai ser descartado, criando lixo?
3 As embalagens, os sacos plásticos são necessários ou podemos substituí-los por sacolas de pano que podem ser usadas por muito tempo?
4 Os produtos que compramos foram fabricados por empresas que respeitam o meio ambiente?
E importante que cada um repense e converse com outros sobre esses assuntos para que a consciência do que consumimos se espalhe por nossa sociedade.
Vamos pensar, pensar, repensar: será que tanta coisa e preciso comprar?
Faça uma lista do que você considera desnecessário em sua casa.

Recusar produtos que prejudicam o meio ambiente e a saúde
Compre apenas produtos que não agridem o meio ambiente e a saúde. Fique atento ao prazo de validade e nas empresas que têm compromissos com a ecologia.
Evite o excesso de sacos plásticos e embalagens. Tenha sempre uma sacola de pano para transportar suas compras. Evite comprar aerossóis e lâmpadas fluorescentes, bem como produtos e embalagens não recicláveis e descartáveis. Radicalize!

Reduzir o consumo desnecessário
Esta prática significa consumir menos produtos, dando preferência aos que tenham maior durabilidade e, portanto, ofereçam menor potencial de geração de resíduos e de desperdício de água, energia e recursos naturais. Adote a prática do refil. Escolha produtos com menos embalagens ou embalagens econômicas, priorizando as retornáveis. Leve sua sacola para as compras e adquira produtos a granel. Faça bijouterias, brinquedos e presentes personalizados reutilizando materiais. Invente novas receitas e reaproveite de forma integral os alimentos. Alugue equipamentos. Edite textos na tela do computador e, quando não for possível evitar a cópia ou a impressão, faça-as frente e verso. Diga não ao consumismo: sua prosperidade agradece.
É preciso reduzir o uso de coisas desnecessárias, a geração de lixo e o desperdício de recursos importantes como água e energia.
1 Prefira os produtos que duram mais e substitua pelos descartáveis.
2 Dispense embalagens que, de qualquer forma, acabam indo para o lixo.
3 Não se deixe influenciar pela propaganda.
4 Não compre coisas que logo serão descartadas.
5 Feche a torneira enquanto escova os dentes.
6 Não tome banho mais demorado do que necessário.
7 Desligue as luzes e os aparelhos elétricos ligados quando não há ninguém no lugar.
Inicie com cartazes e discursos em sua escola, uma campanha para diminuir o uso de energia.

Reutilizar e recuperar ao máximo antes de descartar

Amplie a vida útil dos produtos e do aterro sanitário, economizando a extração de matérias-primas virgens.
Crie produtos artesanais e alternativos a partir da reutilização de embalagens de papel, vidro, plástico, metal, isopor e CDs. Utilize os dois lados do papel e monte blocos de papel-rascunho.
Ofereça vários tipos de oficinas de sucata. Doe objetos que possam servir a outras pessoas.
Quanta coisa podemos usar novamente, apenas dando um jeitinho: caixas de papelão podem ser recobertas e utilizadas como presente, papéis usados só na frente podem ser aproveitados também no verso. Uma velha calça pode ser reutilizada, transformando-a em novíssima bermuda. E, que tal, reutilizar sobras de arroz fazendo deliciosos bolinhos? Outra dica: toalhas de banho velhas dão ótimos panos de chão!
Usando imaginação, boa vontade e sabedoria, muita coisa volta a ter serventia.
Pergunte aos seus familiares o que costumam reutilizar em casa.

Reciclar materiais
O processo de reciclagem reduz a pressão sobre os recursos naturais, economiza água, energia, gera trabalho e renda para milhares de pessoas. Seja no mercado formal ou informal de trabalho.
Exercite os quatro primeiros Rs e, o que restar, separe para a coleta seletiva das embalagens de vidros, plásticos, metais, papéis, longa vida, isopor, óleo de cozinha usado, cartuchos de impressoras, pilhas, baterias, C Ds, DVDs, radiografias e alimentos. A reciclagem promove benefícios ambientais, sociais e econômicos.
A reciclagem é o resultado de um conjunto de técnicas e atividades que tem o objetivo de reaproveitar e reutilizar os resíduos de substâncias em seus ciclos de produção. Hoje, já se encontram várias alternativas de reaproveitamento destes materiais em confecções de produtos artesanais, vestuário, acessórios, etc.
A atitude de reciclar, além de diminuir a quantidade de lixo a ser tratada e eliminada, contribui significativamente para a redução da extração de matérias primas necessárias à produção de novos bens de consumo. Afinal, adotar a educação ambiental, colocando os resíduos recicláveis nos locais devidos, não nos custa nada e ainda promove uma melhor qualidade de vida para toda a população.
Cada vez mais se faz necessário o cuidado e a atenção com o meio ambiente. O desequilíbrio provocado pela devastação de recursos naturais está colocando em risco, não só espécies animais e vegetais, mas a sobrevivência do próprio homem no planeta. Uma das formas de revertermos esta situação é com reaproveitamento de materiais recicláveis, evitando uma maior extração de recursos e diminuindo o acúmulo de lixo nas áreas urbanas.
Reciclar significa usar a matéria- prima dos produtos ja utilizados para fazer novos produtos.
No Brasil, por exemplo, a maior parte das latinhas de refrigerante e feita de aluminio reciclado das latinhas descartadas.
Devemos reciclar porque fazer coisas novas a partir das recicladas consome menos recursos da natureza, menos energia e polui menos o ar.
A reciclagem comeca pela separacao dos materiais recicláveis do lixo geral. Esses recicláveis são recolhidos pelo programa de coleta seletiva. Depois são levados às estações de reciclagem, onde são novamente separados, compactados e vendidos para indústrias que os utilizam na fabricação de novos produtos.
Outras opções que você pode adotar
Doar
Muita gente joga muita coisa fora. Coisas boas que poderiam perfeitamente levar conforto e alegria a pessoas de sua cidade, de seu país ou de outras partes do mundo.
Existem muitas organizações nacionais e internacionais que fazem esse trabalho de recolher de quem nao quer e distribuir para quem precisa.
Doar é do bem. É bom para quem recebe e para quem doa também.
Procure, entre suas coisas, livros, roupas ou outros objetos que você poderia doar. Limpe, embrulhe
direitinho e ofereça a quem precisa, com um cartão caprichado.
Trocar
Quantas vezes eu tenho uma coisa que nao quero mais e meu colega tem também uma coisa que não quer mais. Só que ele gostaria de ter a minha, e eu a dele. Então, por que não trocar?
Antigamente, quando ainda não havia moeda, tudo era trocado. Era o chamado “escambo”.
Trocavam galinha por sal, mandioca por leite, cavalo por vaca, e assim ia. Provavelmente, o troco era em batata ou ovos, quem sabe? Mas o importante e que dessa forma as pessoas podiam ter acesso a coisas alem das que elas próprias produziam. Trocar é uma forma inteligente, simpática e ecológica de
consumir. Evita gastar dinheiro, usar embalagens e coloca em circulação coisas que iriam para o lixo.
Eu dou um caderno para você, você dá uma caneta para mim. Trocamos as coisas, não fica bom assim?
Promova, em sua classe, uma feira de trocas e de alegria.


Saiba mais sobre os materiais recicláveis

Vidros
O vidro é um produto inorgânico que possui características modernas e versáteis, permitindo total liberdade de utilização, sendo a única matéria prima 100% reciclável. A reciclagem do vidro vem se tornando uma prática em nossa sociedade. Atualmente, o Brasil já recicla suas embalagens produzidas, mas ainda é um número muito baixo comparado a outros países.
Assim como outros materiais, se for rejeitado junto com outros resíduos, o vidro não se aproveita e nem se decompõe.
No entanto, a sua reciclagem é simples. A fabricação de uma tonelada de vidro reciclado evita a extração de uma tonelada de areia. Além disto, gasta-se menos de 32% de energia, 50% de água e evita em 20% a poluição atmosférica inerente ao processo de fabricação.

Plásticos
O plástico é um material proveniente de resinas geralmente sintéticas e derivadas do petróleo. Com a reciclagem de plásticos poupa-se a extração de combustíveis fósseis que são esgotáveis. Ambientalmente o uso do plástico é considerado problemático pela sua alta durabilidade e grande volume na composição total do lixo. Quando depositados em lixões, apresentam risco pela queima indevida e sem controle, que pode resultar em emanações tóxicas na atmosfera.
Quando colocado em aterros sanitários, esse material dificulta a compactação do material e prejudica a decomposição dos elementos biologicamente degradáveis.
Metais
Os minérios são substâncias encontradas em solos e rochas de onde é possível extrair os metais. Alguns metais, tais como o ferro e o cobre, são extraídos dos minérios já na forma a se utilizada. Outros, como o aço e o bronze, precisam ser associados a outras substâncias (ex: aço = ferro + carvão).
Papeis
Atualmente, a maior parte dos papéis (95%) é feita a partir do tronco de árvores cultivadas; as partes menores, como ramos e folhas, não são aproveitadas, embora as folhas e galhos possam também ser utilizados no processo. No Brasil o eucalipto é a espécie mais utilizada, por seu rápido crescimento, atingindo em torno de 30 m de altura em 7 anos.
O papel é formado por milhões de fiapos que vêm de plantas, que chamamos de FIBRAS. (você pode fazer uma experiência simples, rasgando uma folha de papel e observando a borda irá notar os fiapinhos). Existem vários tipos de papel. Ele pode variar em peso, espessura, entre outras coisas.
Mas é sua estrutura porosa, semelhante a algumas  rochas (como a pedra pome), que lhe dá características especiais, diferenciando-o dos tecidos de algodão.
Estima-se que o Brasil perde mais de US$ 4 bilhões por ano por não aproveitar todo o material reciclável. A reciclagem do papel se torna um processo importante tanto pela preservação das árvores e diminuição dos problemas ambientais causados pela fabricação de papéis novos, quanto pelo aproveitamento dos papéis já utilizados que seriam jogados fora poluindo o meio ambiente.
Com o papel reciclado também pode ser feito artesanato. Atualmente, existem vários artesãos trabalhando com esta técnica em pequenas oficinas caseiras, produzindo além de papéis personalizados, objetos decorativos e utilitários, que são criativos, diferentes e o que é melhor: geram renda.

Vantagens da reciclagem
1 – Redução da quantidade de resíduos encaminhados ao aterro sanitário com conseqüente aumento da sua vida útil;
2 – Redução dos impactos ambientais durante a produção de novas matérias primas;
3 – Redução no consumo de energia elétrica;
4 – Redução da poluição ambiental;
5 – Ampliação do desenvolvimento econômico pela geração de novos empregos na operacionalização dos
materiais recicláveis e na expansão dos negócios relativos à reciclagem.

Cuidados
Todos os materiais devem estar limpos, secos, sem resíduos líquidos comidas ou gorduras para não se
tornarem possíveis focos de transmissão de doenças. Caixas de papelão devem ser desmontadas. No caso dos vidros, caso estejam quebrados, os pedaços dvem ser enrolados em pedaços de papel grosso.

Dicas
Mais algumas dicas para o seu dia a dia:
• Recicle suas roupas e organize “brechós” de trocas.
• Converse com seus amigos sobre questões de meio ambiente e justiça social.
• Compre apenas o que você precisa. Não se deixe levar pela propaganda nem pela moda.
• Use lâmpadas econômicas e energeticamente eficientes. Lembre‑se de desligá-las quando sair do ambiente.
• Desligue os aparelhos eletrônicos quando não os estiver usando.
• Abra as janelas e deixe o sol e a luz entrarem!

Fonte
Projeto RECIVIDA . Cartilha dos 3R’s Disponivel em: http://candiba.com/recivida/cartilha/
CARTILHA DE RECICLAGEM DE LIXO
LEÃO, Ana Lúcia Carneiro; CIRILO, Ângela Maria; SILVA, Lúcia Maria Alves E. Joca descobre o ... lixo. Recife: CPRH, 2000. p. 24 Reciclar é show. Apostila do educador.
DIARIO DO NORDESTE. CONSUMIR DE FORMA CONSCIENTE
http://blogs.diariodonordeste.com.br/gestaoambiental/tag/consumo-consciente/
Conscientização no consumo envolve setores e amplifica educação ambiental infantil - Revista Meio Ambiente Industrial
ATERRO SANITARIO BRASIL ESCOLA
Carol Daemon: Como funciona um aterro sanitário
Carol Daemon: 7 coisas tóxicas que você não deveria jogar no lixo
http://caroldaemon.blogspot.com.br/2011/04/7-coisas-toxicas-que-voce-nao-deveria.html
os 5 R’s da educação ambiental em ação
http://www.docelimao.com.br/site/especial-kids/educacao/650-os-5-rs-da-educacao-ambiental-em-acao